Lucky...o sortudo!

Este cachorrinho tão fofo apareceu sozinho,cheio de pulgas e carraças, junto da casa da Ana.
A Ana apesar de já ter dois amigos inseparáveis, o Kenai e o Simba, não conseguiu deixar este cãozinho abandonado à sua sorte. Levou-o para casa e junto com a família trataram dele, dando-lhe o nome de Lucky, um cãozinho que a partir de agora terá sempre carinho.
O Kenai e o Simba aceitaram o novo amigo sem problemas, e a Ana tem mais uma mascote lá em casa.
Hoje, como é uma dona responsável e não quer lhe aconteça nada, trouxe o Lucky para ser vacinado.Portou-se muito bem.
Vejam as fotografias:


UMA ASSISTENTE MUITO ESPECIAL !!

A nossa Clínica tem um novo elemento na sua equipa. Esta novidade não o seria se a nossa nova assistente não tivesse apenas.....11 anos, isso mesmo 11 anos. A Catarina, assim que começaram as férias grandes, deslocou-se à nossa Clínica e pediu-nos se podia vir ajudar e ver como era o dia a dia no nosso Centro Veterinário.

A Catarina é muito atenta, responsável e extremamente pontual, gosta de observar e ajudar naquilo que pode, é um bom exemplo para todas as meninas da idade dela. Desde já, agradecemos à Catarina pela sua ajuda e que continue a fazer o bom trabalho que tem feito até agora.




A Catarina em plena acção.....




Mais umas fotos bonitas...










FAÍSCA, UM CÃO COM MUITA SORTE!!

Este é o Faísca, um cão cheio de energia, brincalhão, amigo das crianças e diga-se um pouco tonto, mas isso é da idade, porque pode não parecer mas ainda é novinho.
Mas, antes de ser um cão assim tão bem parecido o faísca teve um acidente de percurso e quando se cruzou no nosso caminho estava muito mal, pois tinha sido atropelado por um carro.

O Faísca veio ao meu encontro como que a pedir ajuda e vendo o estado em que estava teve de ser transportado para a nossa clínica para ser tratado e para ser submetido a uma cirurgia, pois tinha a pata esquerda de trás fracturada e com um osso exposto.
Depois de cerca de um mês de muita paciência, muito trabalho e muito carinho, a recuperação da sua pata tinha chegado ao fim e estava na hora de retirar a tala de vez e ver se a sua pata tinha recuperado bem.....como terá ficado o Faísca????




video

INSOLAÇÃO EM CÃES



Com os dias tão quentes convém alertar para um problema grave e muitas vezes fatal,a insolação.
Lembramos os muitos cães que no nosso país, irresponsavelmente, estão debaixo de um latão, acorrentados, sem a possibilidade de sombra alguma. Dias tão quentes como os últimos podem ser fatais.
Se tem o seu cão no exterior, arranje uma sombra e um local fresco para a sua mascote.Tenha sempre água à disposição. Lembre-se que o seu cão, só por ser animal, não é mais resistente que o Homem. Conseguiria estar confinado num espaço sem sombra, horas a fio, debaixo de mais de 36ºC ?
Se tiver que deixar o seu cão no carro, procure um local fresco e com sombra. Os 5 cm de janela aberta não chegam.
A transpiração é a forma que usamos para baixar a temperatura do nosso corpo, no cão é diferente. Quando vê um cão a arfar, não quer dizer que esteja cansado, ele está a libertar calor, e desta forma a impedir que a sua temperatura suba drasticamente. Se o deixar num ambiente fechado e quente, o seu cão começa a respirar fortemente para compensar a temperatura quente e o pouco oxigénio. Esgota muito rapidamente o volume de ar disponível,começando a respirar ar já expirado,rico em dióxido de carbono e pobre em oxigénio. Deixa de ser capaz de auto-regular a sua temperatura, que pode chegar facilmente aos 41ºC. Começa a ficar atordoado,saliva bastante, respira cada vez mais rápido, começa mesmo com tremores ou convulsões. O seu organismo está em choque e a morte a um passo.

O que fazer perante estes sinais ?
  • Retire o cão do local quente.
  • Molhe o animal com água morna progressivamente arrefecida, ou com água fresca, num local bem ventilado,até normalizar a temperatura.
  • De seguida, dirija-se ao veterinário para ser avaliado.
A melhor arma, mais uma vez , é a PREVENÇÃO !

Cães com problemas cardíacos ou respiratórios, cães obesos, ou de raças braquicéfalas ( como o Boxer , o Pequinês e o Bulldog) são mais predispostos.
Também os cães grandes ,fechados num carro, mais facilmente saturam o ar disponível.


Qualquer dúvida, não existe em contactar-nos.

DILATAÇÃO-TORÇÃO GÁSTRICA EM CÃES

É uma patologia em que ocorre dilatação do estômago seguida da torção deste sobre si mesmo, agravando a fermentação e o aprisionamento de gás e alimento no seu interior.
Requer diagnóstico rápido e preciso, para intervenção cirúrgica imediata, visto que pode provocar a morte em 6 a 12 horas. A taxa de mortalidade sem cirurgia é de 100%.


A causa desta patologia permanece desconhecida mas existem factores que parecem predispor ao problema, tais como:
  • Exercício vigoroso após a refeições;
  • Dietas muito fermentáveis ( feijão,grão,rações com pouca fibra);
  • Uma única refeição diária;
  • Aerofagia (engolir ar) provocada por stress, ingestão de água por mangueira, etc.
Ocorre maioritariamente em raças grandes ou gigantes com tórax profundo como o Dogue Alemão, São Bernardo, Pastor Alemão, Labrador, Setter, Rottweiller, entre outras.
O risco aumenta com a idade, mas cães jovens também podem sofrer desta patologia.
Com a rotação do estômago vai haver obstrução do cárdia e do piloro , (esfíncteres do estômago) tornando-se o estômago cada vez mais dilatado. Além do estômago ocorre a torção do baço e dos seus vasos, levando à congestão do baço e necrose da parede gástrica. A dilatação gástrica diminui o fluxo da veia cava e veia porta. Diminui assim o retorno venoso e logo o débito cardíaco. A estase sanguínea e a hipóxia (falta de oxigénio) dos tecidos conduz ao aumento das endotoxinas bacterianas. O animal entra em choque profundo e morre.

Os sinais típicos desta patologia são:
  • Aumento agudo do volume abdominal;
  • Dificuldade em vomitar (tentativa atrás de tentativa);
  • Flatulência;
  • Hipersalivação;
  • Intranquilidade e depressão.
Perante estes sinais clínicos deve dirigir-se o mais rápido para um centro veterinário. Cada minuto conta!
Pode ainda haver só dilatação do estômago sem torção, facilitando muito a terapêutica e o prognóstico.
Neste problema é necessário estabilizar o animal com fluidoterapia agressiva para corrigir as alterações metabólicas e electrolíticas, seguido de cirurgia urgente. A taxa de mortalidade de animais tratados cirurgicamente mesmo assim é elevada.

O melhor é sempre a prevenção.

Dê uma boa ração ao seu animal e nunca de uma só vez. Deve repartir em duas doses diárias.
Evite que o cão salte ou corra logo a seguir a comer ou beber.
Qualquer dúvida, não hesite em contactar-nos.