Eclâmpsia ou Hipocalcemia pós-parto

É uma condição aguda com risco de vida, no período pós-parto, devido à baixa dos níveis de cálcio no sangue.Esta diminuição pode dever-se à perda de cálcio materno para o esqueleto fetal e produção de leite para a ninhada. A adição de cálcio no período antes do parto pode levar também a este problema, por levar à atrofia das paratiróides.
Normalmente acontece no pico da lactação ( entre a 1º e a 3º semana), em cadelas de raça pequena, com grandes ninhadas.Mas pode acontecer em qualquer raça, e também na gata.
Os sinais clínicos são :
  • respiração ofegante e acelerada
  • tremores
  • fasciculações musculares
  • fraqueza e incoordenação
  • temperatura aumentada
  • convulsões
  • morte
O diagnóstico é confirmado pela medição do cálcio sérico, que se encontra abaixo dos 7 mg/dl.

O tratamento deve ser iniciado o mais rápido possível, com administração de electrólitos e gluconato de cálcio intravenoso.
É importante suplementar a sua dieta com cálcio oral e suspender a lactação pelo menos nas próximas 48 horas.

Como prevenção, aconselhamos que forneça à cadela gestante uma boa ração , podendo recorrer a ração para cachorro.


No vídeo está a Becky, uma cadelinha que teve 3 cachorros à 1 mês atrás.


video

Mesmo na tragédia não os podemos esquecer.

BOM NATAL !


Nesta época natalícia desejamos a todos os nossos clientes um feliz natal e um ano de 2011 em grande.
Fica um apelo, ajudem a mudar mentalidades, ajudem a abrir as mentes e os corações que não sabem o que é ter um animal e como se devem tratar.
Agradecemos a vossa confiança e todos os miminhos que dão diariamente aos vossos animais.

Digam lá que eu não sou uma gatinha fofa?


Aqui vai mais fotos ...










Mais um sinal que os animais são grandiosos

Proptose do globo ocular



Proptose do globo ocular é a deslocação do olho, para a frente e para fora da órbita ocular, com simultâneo encarceramento pelas pálpebras.
É bizarro, mas relativamente frequente em algumas raças caninas, quando sujeitas a traumas como atropelamento ou lutas com outros cães. É o caso das raças braquicefálicas ( com o focinho achatado) como o Pug, o Shi-tzu e o Pequinês, em que a órbita é menos profunda e a abertura palpebral é maior, facilitando a saída do olho.
O que fazer?
Evitar que o animal toque no olho com as patas, humedecer o olho com compressas humedecidas com soro fisiológico e correr para o veterinário. É urgente ! Quanto mais depressa o olho for recolocado mais hipóteses há de manter um olho com visão. Apesar de apenas em 20 % dos casos isto aconteça.
Em muitos casos consegue-se manter o olho embora se torne um olho sem visão. A perda de reflexo pupilar, rotura dos músculos orbitais, rotura da córnea e a lesão do nervo óptico são mau prognóstico .
Pode ser necessário remover mesmo o olho definitivamente.
Mas em que consiste a cirurgia de recolocação do olho ?
É relativamente fácil. Após a limpeza e lubrificação do olho , é necessário muitas vezes fazer uma incisão no canto lateral da pálpebra, de forma a facilitar a entrada do olho, que está muito inchado e aprisionado pelas pálpebras. Depois do corte, com uma pinça tenta-se inverter e puxar as pálpebras para a frente, ao mesmo tempo que se empurra o olho para dentro, suavemente. Depois é suturar as pálpebras, deixando aberto só um bocadinho para a colocação de medicação tópica necessária.
São exemplos de sequelas, a cegueira, a queratoconjuntivite seca e úlcera da córnea.

CÃES AJUDAM NA APRENDIZAGEM ESCOLAR




Um estudo realizado por Lori Friesen na Universidade de Alberta, Canadá, demonstrou que ao contrário de atrapalharem, os cães podem ser muito úteis aos mais novos nos estudos.
Ficou demonstrado que um grupo de crianças que estudou, durante 12 semanas,na companhia de cães atingiu melhores resultados que os restantes alunos. A investigação decorreu na escola de ensino básico de Sherwood Park e acompanho a turma de alunos entre os 6 e os 7 anos.
Lori Friensen conseguiu provar que, na companhia dos cães Tango e Sparky, as crianças se sentiam mais à vontade e se libertavam mais facilmente, lendo com maior fluidez e facilidade de compreensão.

Animais geriátricos...cuidados a ter


Felizmente cada vez mais entram na nossa clínica animais velhotes, isto porque os cuidados prestados pelo dono são cada vez maiores.
Para a sua longevidade contribuem o local em que vivem ( os velhos latões foram substituídos por canis ou mesmo passaram a ocupar um espaço na casa do dono), a alimentação (os restos são cada vez mais substituídos por rações equilibradas), e os cuidados médicos profiláticos como as desparasitações e as vacinas.
Mas como é óbvio com a velhice começam a surgir doenças relacionadas com a idade. Como são exemplo, a surdez, as cataratas e o glaucoma, a incontinência urinária, os problemas renais, as alterações cardíacas, a diabetes, o hipotiroidismo, as alterações no trânsito intestinal, as alterações na próstata, os tumores de mama, enfim aqueles problemas que são também frequentes nos humanos com alguma idade.
A maioria dos problemas pode ter solução se diagnosticados a tempo, permitindo manter a qualidade de vida dos nossos companheiros.

Ficam aqui alguns conselhos úteis:
  • Realize uma consulta check-up anual;
  • Forneça uma alimentação adequada à sua condição clínica ( existem rações específicas para geriátricos);
  • Se obeso, é necessário emagrecer, algo que se consegue com ração de dieta e exercício controlado;
  • Não descuide os protocolos de vacinação e desparasitação, lembre-se que o sistema imunitário está mais fraco.
Esteja atento a sinais como:
  • Aumento do consumo de água e /ou da micção;
  • Vómitos ou diarreias persistentes;
  • Perda de apetite ou peso;
  • Alterações de comportamento (cansaço,inquietação,desorientação,etc.);
  • tosse;
  • massas ou nódulos anormais;
  • dificuldades na locomoção.
Com que idade considero o meu animal velho ?

É variável, consoante o tamanho do animal e até mesmo a raça.

Gatos e cães pequenos - 9 anos
Cães médios - 8 anos
Cães grandes - 7 anos
Cães gigantes - 6 anos.

Qualquer dúvida contacte-nos.

Lucky...o sortudo!

Este cachorrinho tão fofo apareceu sozinho,cheio de pulgas e carraças, junto da casa da Ana.
A Ana apesar de já ter dois amigos inseparáveis, o Kenai e o Simba, não conseguiu deixar este cãozinho abandonado à sua sorte. Levou-o para casa e junto com a família trataram dele, dando-lhe o nome de Lucky, um cãozinho que a partir de agora terá sempre carinho.
O Kenai e o Simba aceitaram o novo amigo sem problemas, e a Ana tem mais uma mascote lá em casa.
Hoje, como é uma dona responsável e não quer lhe aconteça nada, trouxe o Lucky para ser vacinado.Portou-se muito bem.
Vejam as fotografias: